Flamengo São Paulo 2005 O Globo
12 anos depois, papeis invertidos no reencontro de Fla e São Paulo na Ilha
02 julho 04:22
Maracanã Flamengo Vasco Taça Rio 2017
Cabral, o Maracanã mausoléu e o roubo do espírito do futebol carioca
04 julho 02:59

Na Ilha do Urubu, um tira-gosto de um Fla que confirma que pode oferecer mais

Diego Everton Ribeiro Flamengo

Guerrero São Paulo Flamengo Ilha do Urubu 2017

Fosse o velho Maracanã, provavelmente a torcida teria entoado um “Diego toca a bola, Guerrero deita e rola. E só da Mengo!”. Por um breve instante, foi mesmo assim. Um lance, com tabelinhas de encher os olhos entre Guerrero, Everton Ribeiro e Diego até chegar ao gol de Renan Ribeiro. Um tira-gosto do que o elenco rubro-negro é capaz. No geral, não foi assim. Era um jogo equilibrado até o primeiro gol. Mas a qualidade falou mais alto. Dois lances de técnica foram suficientes para garantir a vitória de 2 a 0 sobre o São Paulo, na Ilha do Urubu. Triunfo de um Flamengo que indicou que, sim, pode fazer bem mais.

Fla no início: Everton Ribeiro acelerava

A partir deste domingo, o torcedor rubro-negro tem um lance para se basear quando se empolgar com o entrosamento de Diego, Everton Ribeiro e Guerrero. Não será apenas a própria imaginação. Antes, porém, o time foi moroso. Tinha até a maior posse de bola na partida, priorizava o jogo pelo chão, trocava passes. Mas era pouco incisivo. O 4-2-3-1 de sempre. A diferença era Everton Ribeiro. Ele é exatamente o que o time de Zé Ricardo precisava. Auxilia Pará na marcação e, ao atacar, cai por dentro para dialogar com Diego e Guerrero. Cabia a ele acelerar o jogo.

Rogério Ceni promoveu a estreia de Petros e indicou um trio de volantes para tentar emperrar a dupla Diego e Everton Ribeiro. Jucilei, Petros e Wesley. O problema para o São Paulo é que por vezes Everton recuava na esquerda do Flamengo, também formando um trio de marcação ao lado de Márcio Araújo, desta vez como primeiro volante ao contrário dos confrontos contra Fluminense e Santos, e Cuellar. Cueva, posicionado mais à esquerda do ataque do Tricolor Paulista, era bem acompanhado por Pará e buscava o jogo pelo meio para achar Pratto. Um jogo mais igual. Muito em conta, como dito, de um Flamengo que optava por cadenciar a partida. Bastava acelerar, usar a técnica, trocar passes em velocidade para desmantelar o sistema defensivo do São Paulo. Conseguiu por alguns minutos. Foi o suficiente.

São Paulo: força no meio e contra-ataque

No acelerar, Petros, que já tinha carimbado as canelas de Diego e Everton Ribeiro, derrubou Guerrero na entrada da área. Aí a qualidade apareceu, em mais uma bela cobrança do atacante peruano na temporada. 1 a 0. Na empolgação a torcida, o Flamengo pareceu mais elétrico, interessado em ser incisivo. Foi. Trocou passes, procurou espaços, rodou o jogo de forma mais rápida e aproveitou o atordoamento momentâneo do São Paulo. Guerrero girou, achou Everton Ribeiro, que entrou na área e tocou com categoria para a conclusão com classe de Diego. Um golaço. Um tira-gosto do que o elenco é capaz. Sem cruzamentos, sem bolas alçadas. De pé em pé, costurando buracos na defesa adversária. 2 a 0.

Fla ao fim: na espera pelo contra-ataque

A vitória parcial no primeiro tempo modificou o panorama do jogo, naturalmente. Inicialmente postado para combater o Flamengo no meio e esticar bolas em contra-ataque pelos lados, o São Paulo mudou. Saiu Wesley, que atuava mais como volante, e entrou Denilson na esquerda do ataque. Cueva centralizou e o Tricolor pareceu entrar também em um 4-2-3-1. Mas bem fechado, ainda esperando o Flamengo. Que se fartou de trocar passes, com calma, enquanto o visitante tentava não dar um espaço fatal. Mas deu. Em um momento que o Flamengo reproduziu um bom momento, Diego lançou bola da defesa até Pará na direita. Dali para Guerrero, do peruano para Everton, que, afoito, bateu direto para a defesa de Renan Ribeiro. O Flamengo chegava, encorpava. O São Paulo sentia.

Em mais um lance de troca de passes, o pelotão rubro-negro voltou a fuzilar Renan Ribeiro. Diego e Guerrero, duas vezes, chutaram forte para a defesa do goleiro, que contou com auxílio de Rodrigo Caio. De imediato, os dois técnicos mudaram suas ideias de jogo próximo à última metade da etapa final. Ceni sacou Marcinho para colocar Wellington Nem. Queria mais o ataque. Zé Ricardo tirou Everton Ribeiro e pôs o veloz Berrío, indicando que daria campo para ter o contra-ataque. Dito e feito. O Flamengo recuou, tentou administrar a vantagem. Por vezes, até demais.

No fim, São Paulo tentou atacar

Defensivamente, o Flamengo geralmente se porta em um 4-4-2, com Diego e Guerrero à frente. Desta vez, alternou entre um 4-1-4-1, com Márcio Araújo como o homem à frente da defesa e apenas Guerrero no ataque. Em outras, Márcio avançava e formava um bloco de cinco jogadores com a participação de Diego. O São Paulo teve mais a bola, girou o jogo, tentou penetrar e quase conseguiu diminuir em um chute de Cueva que Rhodolfo salvou em cima da linha. Técnico, o Flamengo geralmente se incomoda quando aceita simplesmente a pressão adversária e busca o contra-ataque. Um jogo mais pobre com jogadores de maior qualidade. Na própria partida, a equipe de Zé Ricardo provara que pode bem mais.

É, claro, um sinal animador de um trabalho que esfarelava e colecionava atuações ruins, como a dura vitória sobre o Bahia, há apenas uma semana. Diante do Santos, no meio de semana, a apresentação foi melhor. Há uma melhora. Mas a distância para o líder Corinthians permanece a mesma, de nove pontos. Por mais que tenha de administrar o desgaste do calendário, o elenco do Flamengo pode mais. Aumentar o saldo de gols pode ser fator decisivo para a disputa do título brasileiro. Aos poucos, Everton Ribeiro já indica que irá mesmo ajudar a mudar o patamar de atuações.

Em um dia que Márcio Araújo cumpriu o básico, sem arroubos no ataque, o time teve uma vitória importante, com um ótimo tira-gosto. É um elenco muito cobrado porque pode bem mais do que simplesmente lançar e cruzar bolas na área adversário. Por isso, o lance do gol de Diego não vai sair da memória rubro-negra tão cedo. Ele reflete, sim, a ambição das contratações. O sonho da arquibancada. A promessa do ano mágico. Qualidade para repeti-lo não falta.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 2X0 SÃO PAULO

Local: Estádio Luso-Brasileiro, a Ilha do Urubu
Data: 2 de julho de 2017
Horário: 16h
Árbitro: Leandro Vuaden (RS)
Cartões amarelos: Everton (FLA) e Cueva (SAO)
Público e renda: 16.084 pagantes / 17.302 presentes / R$ 1.182.167,00
Gols: Guerrero (FLA), aos 37 minutos e Diego (FLA), aos 41 minutos do primeiro tempo

FLAMENGO: Thiago; Pará, Rhodolfo, Rever e Trauco (Renê, 34’/2T); Márcio Araújo e Cuellar; Everton Ribeiro (Berrío, 19’/2T), Diego e Everton (Matheus Sávio, 43’/2T); Guerrero
Técnico: Zé Ricardo

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Araruna, Lugano, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Jucilei, Wesley (Denilson / Intervalo) e Petros; Marcinho (Wellington Nem, 19/’2T), Cueva (Shaylon, 31’/2T) e Lucas Pratto
Técnico: Rogério Ceni