Arena da Ilha Flamengo 2017
Fla tem até terça de carnaval para confirmar Arena da Ilha como sede na Libertadores
22 Fevereiro 13:41
Vizeu Paquetá Flamengo
Recheado de garotos, Fla avança na Primeira Liga em jogo ruim
22 Fevereiro 21:40

O plano Maracanã: Fla realiza vistorias, faz cálculos e sacramenta retorno

Flamengo Maracanã retorno Corinthians 2016

Maracanã na partida entre Flamengo e Corinthians, em 2016

Maracanã Flamengo Coritiba 2016

Partida entre Flamengo e Coritiba, no Maracanã, no segundo turno do Campeonato Brasileiro de 2016

O Flamengo arregaçou as mangas e foi atrás do Maracanã para realizar a estreia na Libertadores em sua tradicional casa. Mas, até o dia 8 de março, data da partida contra o San Lorenzo, o trabalho será duro. Tudo será desenvolvido de acordo com um plano elaborado em silêncio pela diretoria desde o fim de 2016, conjuntamente com o início das obras no estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador. O Maracanã sempre foi a principal tentativa para a Libertadores, deixando a Arena como plano B.

A intenção era fixar a sede no Rio de Janeiro. De acordo com o regulamento da Libertadores, caso o Flamengo indicasse uma praça fora da cidade, toda vez que tentasse jogar no Rio no torneio, em qualquer estádio, deveria contar com uma autorização da Conmebol e o aval do adversário. Por isso, a entidade foi avisada que o estádio do clube seria o Maracanã, com a Arena da Ilha como alternativa. Ambas no Rio de Janeiro, como manda o regulamento. No início dessa semana, após contato anterior com a Odebrecht, ainda concessionária do estádio, o Flamengo realizou uma vistoria no Maracanã para observar os pontos a serem reparados.

A constatação foi rápida: o local, apesar das fotos que circularam na imprensa, estava em melhores condições do que as encontradas após os Jogos Olímpicos, às vésperas do jogo contra o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro, quando havia muita sujeira e o gramado ainda se recuperava de um gigantesco buraco feito para a abertura dos Jogos Paralímpicos.

Isto porque, diante da possibilidade de o clube utilizá-lo na Libertadores, o gramado, obviamente fundamental para a realização da partida, já vinha sendo tratado pela empresa Greeleaf, também responsável pelos campos do Ninho do Urubu e da Arena da Ilha. Devido às obras no estádio Luso-Brasileiro e no centro de treinamento, o Flamengo conta, atualmente, com um corpo de engenharia próprio. Foram esses profissionais os responsáveis por avaliar as condições do Maracanã. Vários testes foram realizados: iluminação, som, ar condicionado, outros sistemas operacionais e, principalmente, energia elétrica. Embora ajustes sejam necessários, assim como limpezas, o resultado foi considerado satisfatório para deixar o Maracanã em condições operacionais em duas semanas.

Acordo pontual com a Odebrecht e certeza de lucro

O acordo do Flamengo realizado com a Odebrecht é válido apenas para a partida de estreia do clube na Libertadores. Por enquanto, a direção mantém cautela sobre a divulgada desistência do grupo, também parceiro do Fluminense, formado por CSM e GL Events da disputa pela concessão do Maracanã. A francesa Lagardère segue no páreo para comprar a gestão do estádio da Odebrecht, mas as chances de acordo com o clube rubro-negro seguem quase nulas. Certo é que o Flamengo arcará com boa parte das despesas para reforma do estádio. Por enquanto, os dirigentes ainda contabilizam os gastos e o valor é incerto.

A partida de estreia na Libertadores no Maracanã é encarada, também, como um equilíbrio financeiro nas contas do clube. Embora garanta ter decidido colocar a questão esportiva acima da financeira neste ano após um 2016 itinerante, o Flamengo contabilizava entre quatro e cinco jogos com bilheterias polpudas no estádio Mané Garrincha no Campeonato Brasileiro nos próximos meses. Mas o veto da CBF a mandos de campo longe dos estados de origem do clube no Brasileiro impediram a ideia.

Quando reabriu o Maracanã, em outubro de 2016, no empate em 2 a 2 com o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro, o Flamengo arrecadou R$ 3,2 milhões com as 65 mil pessoas presentes no estádio. No entanto, as despesas se avolumaram em R$ 1,2 milhão. O custo de preparação do estádio, na ocasião, chegou a R$ 344 mil, enquanto o custo operacional, no dia do jogo, alcançou R$ 415 mil. Foram os gastos mais vultosos, ao lado da Taxa Ferj, que representou R$ 158 mil. No saldo, o Flamengo lucrou R$ 1,9 milhão com o jogo. Com uma penhora de R$ 280 mil, o valor desceu para R$ 1,6 milhão ao fim.

Os comentários estão encerrados.