Gol de Diego pelo Flamengo em 2017
No conforto dos volantes, um Flamengo com jogo amadurecido
01 Fevereiro 21:55
Edmundo no Vasco em 1999
De Luis Fabiano a Edmundo: há 18 anos Eurico inscreveu Animal na marra
15 Fevereiro 02:39

Pelo alto, Fla vence o Grêmio e amplia alternativas

Berrío estreia no Flamengo em 2017

Estreante, Berrío deixou o seu gol na vitória sobre o Grêmio

Everton marcou o primeiro gol do Flamengo na partida após receber assistência do peruano Trauco

Até é possível chamar de primeiro teste de verdade do Flamengo em 2017. Na estreia na Primeira Liga, o time teve pela frente um Grêmio repleto de reservas no estádio Mané Garrincha. Mas passou bem. 2 a 0, liderança do Grupo B sem grandes sustos, gol do estreante Berrío e mais um laboratório para o técnico Zé Ricardo. Desta vez, a tentativa foi pelo alto.

Foi um Flamengo que tentou desde o início ampliar seu repertório, trabalhando as bolas ofensivas no jogo aéreo. Desde 2016, Zé Ricardo prezava mais pelo passe, a bola de pé em pé. Não que essa característica tenha desaparecido nesta quarta-feira. Ainda estava lá. Mas a aposta no jogo pelo alto era grande. O time, postado de volta a um 4-2-3-1, girava a bola, mas, ao achar os lados, apostava no cruzamento. Com um minuto de jogo, Mancuello cobrou escanteio pela direita na cabeça de Réver, que mandou à direita do goleiro, com perigo. No lance seguinte, Mancuello cobrou falta pela esquerda e Arão, de cabeça, mandou para fora. Estava claro.

Se nos primeiros jogos do Campeonato Carioca Zé Ricardo deu predileção a bolas infiltradas, o jogo dos volantes Rômulo e Willian Arão, agora tentava mais alternativas. Diante de um adversário desentrosado e mais preocupado em se defender, o Flamengo se avolumava em campo. Everton, como sempre, era um motor ligado pelo lado esquerdo, indo e voltando, já com grande entrosamento com Trauco. O time, no entanto, parecia seguir uma cartilha e insistia pelo alto. Em outro escanteio cobrado por Mancuello, o goleiro Grassi soltou a bola e, no rebote, Guerrero quase mandou para o gol, mas o goleiro salvou com as pernas e se redimiu. A característica natural da equipe, no entanto, sobressaiu ao abrir o placar.

Diego recebeu a bola no meio, olhou para a direita e não viu opção. Limpou a jogada, girou para o lado esquerdo e achou Trauco, a quem passou a bola com uma trivela de boa categoria. Rapidamente, o peruano, objetivo e técnico, achou Everton dentro da área. O camisa 22 girou e chutou rasteiro, no contrapé do goleiro. 1 a 0. Quarta assistência de Trauco em quatro jogos pelo Flamengo. Foram 16 bolas aéreas ofensivas do Flamengo no primeiro tempo, de acordo com o site Footstats. E o gol veio pelo chão.

Fla no 4-2-3-1 com Berrío e Gabriel

No segundo tempo, o Flamengo pareceu mostrar um pouco de cansaço, perdeu volume de jogo e abriu espaços para o Grêmio que recheou o meio de campo e empurrava o time pelas pontas. Bolaños, de longe, soltou uma bomba na frente da área e obrigou Muralha a fazer boa defesa. Ao contrário dos outros jogos, em que o time formava um 4-1-4-1, com quatro jogadores atrás de Guerrero ao partir para o ataque, desta vez a equipe parecia mais presa ao esquema de 2016. Com isso, Mancuello ficou mais dedicado à ponta, caindo pouco pelo meio. Seu desempenho, então, esteve aquém dos outros jogos. Zé Ricardo percebeu e, mantendo o sistema, sacou o argentino para a estreia de Berrío. O colombiano entrou em campo eufórico, desejando mostrar serviço. Mas exagerou. Tentou três passes com uma patada na pelota que tornaram impossível alcançá-la. Por vezes, Berrío adiantava para formar dupla com Guerrero, Gabriel recuava para formar o meio e o time entrava em um 4-4-2 um pouco confuso.

O Grêmio chegava mais vezes, Everton de novo exigiu de Muralha uma boa defesa. Cortês fez boa jogada pela esquerda, cruzou para o centro e Arão evitou um perigo maior. Era um jogo já menos vibrante. Ao Flamengo restava tocar a bola e esperar por espaços, principalmente para explorar a velocidade de Berrío pela direita. À essa altura, Gabriel já tinha entrado na vaga da ponta esquerda de um cansado Everton. De tanto insistir, o Flamengo, então, conseguiu seu gol pelo alto. Diego cobrou escanteio pela direita, Guerrero cabeceou forte na segunda trave. Grassi salvou e, no rebote, o estreante Berrío, num peixinho desajeitado, tocou para a rede de cabeça. 2 a 0. Vitória sem grandes sustos e um Flamengo diferente, em busca pelo alto. Foram 25 ao longo de toda a partida. Alternativa importante. Mas, para este time, a melhor opção parece mesmo ser o passe, de pé em pé.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 2X0 GRÊMIO

Local: Mané Garrincha, em Brasília (DF)
Data: 08 de fevereiro de 2017
Horário: 19h30
Árbitro: Bráulio da Silva Machado
Assistentes: Kléber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock
Público e renda:
Cartões amarelos: Diego (FLA) e Bressan (GRE)
Gols: Everton (FLA), aos 42 minutos do primeiro tempo e Berrío (FLA), aos 32 minutos do segundo tempo.

FLAMENGO: Alex Muralha; Pará, Rever, Rafael Vaz e Trauco; Rômulo e Willian Arão; Mancuello (Berrío 16’/2T), Diego (Márcio Araújo 44’/2T) e Everton (Gabriel 25’/2T); Guerrero
Técnico: Zé Ricardo

GRÊMIO: Bruno Grassi; Léo Moura, Rafael Thyere, Bressan e Cortês; Michel (Jael 10’/2T), Kaio, Arthur e Fernandinho; Bolaños e Everton (Maxi Rodríguez 37’/2T)
Técnico: Alexandre Mendes

Os comentários estão encerrados.