Flamengo Vasco Carioca 2017 Mané Garrincha Brasília
Clássico dos Milhões rende maior lucro no Carioca, mas saldo dos grandes é negativo
27 Março 18:15
Neymar Philippe Coutinho Seleção Brasileira Brasil Argentina Mineirão
O bastão foi passado: a geração dominante da Seleção de Tite já é outra
29 Março 17:08

A pressa por Neymar

Neymar Brasil Paraguai Eliminatórias Seleção 2017 Arena Corinthians

Neymar Brasil Paraguai Eliminatórias Seleção 2017 Arena CorinthiansO torcedor brasileiro tem pressa. Ânsia. E cresce em meio a uma sociedade que prega a máxima de que o segundo lugar é o primeiro dos últimos. Por isso explode. Fica histérico. Bastaram dois meses que comprovaram o início de um aguardado amadurecimento de Neymar para aquela necessidade de catalogar tudo que enxergamos pela frente vir à tona. Já é o melhor do mundo na atualidade. Adeus, Messi e Cristiano. Melhor do que Romário e Ronaldo. Fatalmente vai ultrapassar Pelé em número de gols. Provável que seja o único abaixo do Rei ao fim da carreira. É incrível a pressa por Neymar. Ainda um garoto com trejeitos de homem. Ainda um homem com trejeitos de garoto. Conta apenas 25 anos.

Desde que surgiu, molecote no Santos, o atacante ocupa uma lacuna no imaginário de imprensa e torcedor brasileiros. O craque prodígio, fadado a ser o melhor do mundo. O responsável por colocar novamente o futebol nacional de volta ao conto de fadas vivido em épocas de ouro de Pelé, Garrincha, Zico, Romário e Ronaldo. O escolhido a ocupar o trono vago. Não basta a Neymar ser muito bom. Ele tem de ser catalogado. Classificado. Tem de ser o melhor do mundo. Ganhar a coroa. Desbancar monstros como Messi e Cristiano Ronaldo, donos de carreiras invejáveis até mesmo para craques históricos do futebol mundial. Pressa, pressa, pressa.

É provável que Neymar alcance todas as glórias imaginadas a ele. Tem talento de sobra e, agora, já parece ter auxílio do tempo. Messi está prestes a virar um trintão. Cristiano Ronaldo já ultrapassou a marca há dois anos. Natural que a idade, aos poucos, cobre seu preço. Aconteceu com outros grandes. Aos poucos, os grandes atores de seu tempo deixam o palco. E a passagem de bastão aos herdeiros será natural. Neymar é o maior candidato. Na nata do futebol europeu, ele já indicou deixar o papel de coadjuvante ao lado. Assumiu faltas e pênaltis decisivos. Mostra apetite por conquistar mares nunca antes navegados, curte os holofotes. Na Seleção Brasileira já é protagonista há anos. Mas não precisa que tudo seja apressado por ele.

Diante da fase espetacular da Seleção Brasileira sob a batuta de Tite e do bom momento no Barcelona, as redes sociais enlouqueceram e se travestiram, novamente, de um insano tribunal. Batidos vários martelos. Neymar, o melhor do mundo da atualidade. Neymar, o melhor de todos aos 25 anos. Recortes generosos do tempo para agradar versões próprias. Tudo subjetivo. Pressa, pressa, pressa. Ao que parece haverá um momento no qual Neymar vai ocupar o olimpo de outros craques de forma natural. Sem contestações. Nada de melhor aos 25 anos, o recordista de gols pé esquerdo após os 30 minutos do segundo tempo. O camisa 10 da Seleção Brasileira ainda desenha com pés a sua história. E, por tabela, a História da bola. Não é necessário alçá-lo a um patamar no qual ele não está. Pressa, pressa, pressa. Acalmem-se todos. Neymar ainda vai chegar lá. As discussões serão abafadas. Vai valer desfrutar de cada passo.

Os comentários estão encerrados.