Everton Flamengo Fla-Flu Maracanã final 2017
Na primeiro jogo da final, Zé lança antídoto, trava o rival e Fla engole Flu no Maracanã
30 Abril 20:35
De Jairzinho a Jair: Botafogo pode alcançar melhor pontuação na Libertadores em 44 anos
02 Maio 03:56

Que fase, Paolo! No Flamengo, Guerrero chega à melhor média de gols da carreira

Guerrero Flamengo Fluminense Taça Guanabara 2017

Guerrero comemora o gol de falta na partida contra o Fluminense

Nem o mais cético parece ter muitas dúvidas. Gols, assistência, trabalho de pivô, referência. Em 2017, Guerrero enfim concretiza tudo o que o torcedor do Flamengo esperava desde sua chegada, em meados de 2015. O peruano tem voado baixo e atravessa a melhor fase com a camisa rubro-negra. Não é apenas impressão. Até os números refletem. Se atacante vive principalmente de gols, o camisa 9 está bem servido como nunca. Os dez tentos em 15 jogos neste ano elevaram o patamar e o peruano chegou a 32 em 76 jogos oficiais pelo clube. A média de 0,42 por jogo é, de acordo com levantamento do site Futdados, a melhor de sua carreira.

O número supera por pouco a marca alcançada no Corinthians. Média de 0,41, com 52 gols em 126 partidas oficiais pelo clube paulista. Bem acima do desempenho em Hamburgo e Bayern, anteriormente. O brilho do início de temporada em 2017 não foi um sonho de verão. Pelo contrário. Guerrero avolumou-se em campo. O time joga por ele, ele joga pelo time. A chegada do companheiro de seleção peruana, o lateral-esquerdo Trauco, é um dos fatores que contribuíram para sua ascensão. Dos dez gols de Guerrero nesta temporada, três saíram com assistências do compatriota. A equipe de Zé Ricardo, claramente, o procura mais. Não apenas pelos gols.

Pegue como exemplo os últimos dois jogos. Sem Diego, Zé Ricardo adaptou o time ao 4-1-4-1. Precisa que Guerrero seja mais do que um simples atacante. Por natureza, ele já é assim. Mas aumentou seu ímpeto. Corre de um lado para o outro, abre espaços e, soberano, se posiciona na entrada da área. Ali recebe lançamentos em profusão. Com as matadas no peito fora do comum o camisa 9 transforma quase todos em passe. Serve os companheiros. Gabriel não aproveitou o calcanhar que o deixou em ótima condição diante do Furacão. Mancuello recebeu um toque de cabeça e quase bateu Cavalieri em chute de fora da área no Fla-Flu. Ajeitadas de Guerrero. Com um toque, ele serve o companheiro. E precisa de poucos para marcar os gols.

Os dez gols deste ano saíram de 14 toques na bola. Foram cinco tentos no primeiro tempo dos jogos e outros cinco, obviamente, na etapa final. Quatro com a cabeça, quatro com o pé direito, um com pé esquerdo e um de coxa, meio sem jeito, diante do Botafogo na Taça Guanabara. O número de gols poderia ser maior se ele não tivesse perdido um pênalti diante do San Lorenzo no Maracanã. Mas anotou as outras duas cobranças que teve em 2017, diante de Nova Iguaçu e Botafogo. É um jogador mais versátil. De falta, empatou o Fla-Flu da Taça Guanabara no apagar das luzes. Mais recuado, se aproxima do bloco de quatro jogadores mais atrás para suprir a carência de Diego.

Aos 33 anos, Guerrero tem pouco mais de um de contrato para cumprir com o Flamengo. Mas é só sorrisos. No Maracanã, a bola viaja pelo alto. O público prende o fôlego. Em uma tijolada, a pelota amansa no peito do peruano e desliza pelo gramado, suave e bem tratada. O torcedor rubro-negro esboça o sorriso, satisfeito. O adversário pragueja. É quase um dom. Suavizar o correr redonda. Para lá e para cá, lá vai Guerrero. Cansado, o atacante abaixa o meião de cada perna e segue para a lateral do campo. Ele aplaude. A arquibancada grita: “Acabou o caô, o Guerrero chegou, o Guerrero chegou!”. Sim, chegou há quase dois anos. Mas nunca teve tantos motivos para sorrir pelo Flamengo.

Raio-x dos gols de Guerrero em 2017

Primeiro tempo: 5
Segundo tempo: 5
14 toques na bola
Cabeça: 4
Pé direito: 4
Pé esquerdo: 1
Coxa: 1
Grande área: 6
Pequena área: 3
Fora da área: 1
Falta: 1
Pênaltis: 2
Assistências: Trauco (3), Rodinei, Pará e Diego

  • LisboaFla

    Pedro, excelente texto. Esse ano ele está fazendo partidas memoráveis.
    E impressionante a maneira que mata a bola no peito e serve seus companheiros.
    Não vi, nem em escala mundial, alguém que matasse essas bombas no peito da maneira como ele faz.
    Agora acho que teve uma grande mudança não só no time, mas algo nele, parece estar mais a vontade, mais tranquilo, querendo mais.