A briga do Vasco
17 Março 13:55
Leandro Damião cabeçada Bangu Flamengo 2017
Vitória, vaga na mão e um problema para Zé: um Fla que tenta usar demais a cabeça
23 Março 00:18

Participativo e com disposição de sobra: Milton Mendes indica um Vasco diferente

Milton Mendes Vasco 2017 estreia

Milton Mendes em sua estreia pelo Vasco, contra o Madureira

Pikachu Madureira

Andrezinho e Nenê celebram o gol de Pikachu sobre o Madureira: misto de meia e lateral foi a arma de Milton Mendes

Longe, bem longe de ter sido uma atuação de encher os olhos. Mas um sinal de avanço já é colírio para o torcedor vascaíno. Foi o que fez Milton Mendes. Em poucos dias, ele apresentou um Vasco diferente, mais participativo, com troca de posições e dedicação extrema. Foi o necessário para o time vencer o Madureira na estreia do comandante, em São Januário, por 1 a 0, gol solitário de Yago Pikachu.

Cristóvão Borges acabou demitido do Vasco porque, mesmo com problemas, o time não mostrava evolução alguma. Era estático e até apático. O 4-2-3-1 todos sabiam de cor, principalmente os adversários. Milton Mendes também teve problemas para a estreia. A dupla de zaga Rodrigo e Luan, por exemplo, está lesionada. Wagner passa por recondicionamento físico. Resolveu, então, dar pulmão ao time, lançando Yago Pikachu como novidade, bem ao lado direito, como surpresa, para forçar o jogo ao lado de Gilberto.

Vasco do primeiro tempo: Pikachu a mil

Desde o início, o Vasco tentou conquistar a arquibancada com dedicação. Mas estava claramente mais organizado. Tinha uma ideia. A pressão era já na saída de bola do Madureira, um dos pequenos mais estruturados do Carioca. Luis Fabiano no centro, Andrezinho pela esquerda e Pikachu pela direita faziam o primeiro combate na frente. Nenê vinha logo atrás. Era um 4-2-1-3 no ataque, recuando ao 4-2-3-1 na defesa, com Pikachu e Andrezinho fechando os lados. Muita pressão. Deu certo.

Com 17 minutos, Jordi deu um chutão para frente e Pikachu saiu para pressionar o zagueiro Jorge Fellipe. Nervoso, o defensor tentou recuar a bola de cabeça, mas entregou nos pés do misto de meia e lateral, que driblou fácil o goleiro Rafael e tocou para o fundo do gol. Trégua com a arquibancada. 1 a 0. O Madureira parecia preparado a marcar o Vasco de antes e pouco oferecia resistência.

Mas fazia bem o papel de vigiar Nenê de perto. Mais recuado, o meia era anulado quando passeava mais longe da área. Sempre um perigo nas bolas paradas, até nisso o Vasco de Milton Mendes variou: jogada ensaiada, em vez da simples bola alçada. O gol quase saiu e a torcida aplaudiu a triangulação. Palmas de alívio. Mudanças se anunciavam.

Mas, claro, não seria um mar de rosas. Para manter o ritmo incessante com pressão na frente, o condicionamento físico dos atletas é muito exigido. O Vasco, então, puxou o freio de mão e chamou o Madureira, que teve mais campo. Quase nenhum perigo, verdade, fora uma falta próxima da área, cobrada mal por Julio Cesar.

Nenê mais à frente na segunda etapa

No segundo tempo, logo no início Milton Mendes teve de ajustar o time à força. Jean tomou uma pancada no supercílio, houve sangramento e a troca se fez necessária. Julio dos Santos entrou em campo e se postou na frente da zaga. Douglas ficou mais liberado, à frente. Andrezinho, agora, caía pela direita, Pikachu, pela esquerda. Mas alternavam. Mais adiantado, Nenê se aproximava de Luis Fabiano. Um 4-1-3-2.

Não era um jogo difícil. Mas o time, mais organizado, tampouco corria riscos ou sofria como ocorreu diante e outros pequenos no Carioca. O jogo continuava forçado pela direita, com Pikachu e Gilberto. Luis Fabiano, vez em outra, se aproveitava. Mas falta, ainda, pernas para o corpo executar o que o atacante deseja. Lançado por Douglas, o Fabuloso ficou mano a mano com Diego Guerra, deu um balão, mas acabou travado na hora da finalização. O cansaço batia em todo o time. O ritmo diminuiu, o Vasco manteve o posicionamento e tentava rodar a bola, dependendo das bolas paradas de Nenê, que quase marcou de novo um gol olímpico em 2017. A vitória voltou depois de quatro jogos. Magra, sem encher os olhos. Mas eficiente. Um Vasco diferente.

FICHA TÉCNICA:
VASCO 1X0 MADUREIRA

Local: São Januário
Data: 22 de março de 2017
Horário: 19h30
Árbitro: Bruno Arleu (RJ)
Público e renda: 2.797 pagantes/3.218 presentes/ R$ 66.190,00
Cartões amarelos: Andrezinho, Gilberto e Douglas (VAS) e Souza e Geovane Maranhão (MAD)
Gol: Yago Pikachu (VAS), aos 13 minutos do primeiro tempo

VASCO: Jordi; Gilberto, Jomar, Rafael Marques e Henrique; Jean (Julio dos Santos 13’/2T), Douglas, Yago Pikachu, Nenê e Andrezinho (Escudero, 42’/2T); Luis Fabiano (Thalles, 37’/2T)
Técnico: Milton Mendes

MADUREIRA: Rafael Santos; Rodrigo Raggio (Ruan / Intervalo), Diego Guerra, Jorge Fellipe e Douglas Lima; Leandro Carvalho, Rezende, William (Pirão, 20’/2T) e Luciano Naninho; Julio Cesar (Geovane Maranhão, 35’/2T) e Souza
Técnico: PC Gusmão

Os comentários estão encerrados.