Guerrero Flamengo Maracanã Atlético-PR Libertadores 2017
A ousadia de Zé Ricardo e a vitória no Maracanã: o Fla sai da zona de conforto
13 Abril 00:50
Flamengo Maracanã Libertadores 2017 Atlético-PR
Flamengo tem o maior lucro da temporada em jogo com o Atlético-PR no Maracanã
13 Abril 17:22

Flamengo e Maracanã, uma relação única ainda incerta sobre quando será retomada

Maracanã Flamengo Libertadores 2017

Maracanã Flamengo Libertadores 2017

A sinergia entre Flamengo e Maracanã é daquelas relações difíceis de explicar. Da arquibancada emana um sentimento capaz de atordoar adversários, seduzir de forma quase hipnótica quem acompanha o pulsar de uma Nação. Faz crer ser possível mudar o andamento de um partida. Mesmo naqueles de pouca fé. Maracanã e Flamengo se misturam de tal maneira que um se torna a extensão do outro. Uma massa vermelha e preta que tinge os bancos agora azuis e amarelos. E sorri. Os números são agradáveis. Em 47 jogos na Libertadores ali, quase 74% de aproveitamento. Há um porquê de se brigar pela união. Mas o destino é incerto.

O novo Maraca, modernizado e sem um tanto de seu caráter popular e sua gente, ainda abriga espaço para novas histórias. E reconta as antigas. Como no mosaico diante do Atlético-PR. Apresenta ali, ao vivo, memórias até mesmo de quem não as vivenciou. Parece contraditório. Não é. O gol de Zico contra o Cobreloa, em 1981. Foi assim, eles diziam. Será assim de novo, insistiram. Falavam, claro, da taça. Para continuar a persegui-la, o Flamengo deveria vencer. Em 15 minutos, fez o serviço. O 9 não é mais Nunes, mas lutou por cada espaço no ar até cabecear a redonda para a rede. O 10 não é um Zico, mas faz golaço, abre os braços e dá soco no ar. Por 120 vezes a arquibancada comemorou um gol do Flamengo no estádio na história da Libertadores.

Moisaco Zico Flamengo Maracanã Cobreloa 1981

Mosaico de Zico no Maracanã

Um Maracanã na competição sul-americana que já foi do Galinho, de Petkovic, de Adriano. Um estádio que, ironicamente, jamais viu Romário em ação com a camisa 11 rubro-negra em uma Libertadores. Que conta histórias alegres. Os gols de Zico contra o Cobreloa. A vitória no duelo do Imperador contra o Fenômeno em 2010, sob chuva torrencial. A maior goleada do clube na Libertadores, em 93, 8 a 2 sobre o venezuelano Minerven, com garotos como Djalminha, Marquinhos, Marcelinho ao lado dos veteranos Gaúcho e Gottardo. Que conta também tristezas. Os gols de Cabañas na maior derrota rubro-negra no estádio na competição sul-americana. 3 a 0, em 2008. Há torcedor incrédulo até hoje.

O retorno ao palco de tantas festas é incerto. A diretoria acredita ser possível repetir o acordo e voltar no dia 3 de maio, contra a Universidad Católica. Nem o memorando de intenções assinado pela Lagardére para a compra da concessão da Odebrecht é visto como grande ameaça. Os dados, no entanto, ainda rolam. Com os franceses, os dirigentes rubro-negros garantem, não tem conversa.

“Não vamos nos iludir com nenhuma jogada feita para ludibriar o Flamengo e os seus torcedores. Não tem nada de oficial. Essa situação tem de ter o apoio do Governo e isso não aconteceu. Espero que não aconteça. Tenho certeza que o Governo do Estado vai ter sensibilidade e não vai embarcar nessa aventura. Não vai entregar o maior templo do futebol nas mãos de aventureiros e atravessadores. A solução ideal é uma nova licitação, que dá mais transparência e segurança jurídica”, disse o presidente Eduardo Bandeira de Mello à ESPN Brasil.

Em 2017, o Flamengo de novo coleciona episódios para sorrir no estádio. A estreia, 4 a 0 contra o San Lorenzo, foi a melhor de todos os tempos. O Atlético-PR foi a vítima da vez. Da união do clube, Maracanã e sua torcida. Nos dois jogos deste ano 119.547 pessoas integraram a massa a pulsar na arquibancada. Gente que senta, levanta e explode a cada gol e ao apito final. Mas mesmo com as vitórias segue aflita. Não sabe se poderá fazer, de novo, do estádio a sua casa. Com suas superstições. Ter ali, a céu aberto, discussões de relação, como houve com Cirino. Deixar-se seduzir com gols e declarações explícitas de carinho, como fez com Diego. O destino é incerto. Mas há de se reconhecer. Há algo entre Maracanã e Flamengo. Só parece ser impossível, mesmo, explicar.

Campanhas do Flamengo no Maracanã em Libertadores

Ano Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento Gols pró Gols sofridos
1981 4 2 0 77,7% 17 7
1982 1 0 1 50% 4 3
1983 2 0 1 66,6% 13 6
1984 5 0 0 100% 16 6
1991 3 2 0 80% 13 3
1993 3 1 1 66,6% 16 8
2002 1 1 1 44,4% 5 4
2007 4 0 0 100% 7 1
2008 3 0 1 75% 6 4
2010 3 1 1 66,6% 10 6
2014 1 1 1 44,4% 7 6
2017 2 0 0 100% 6 1
Total 32 8 7 73,7% 120 55

Os comentários estão encerrados.