Maracanã Flamengo Libertadores 2017
Flamengo e Maracanã, uma relação única ainda incerta sobre quando será retomada
13 Abril 06:01
Camilo Botafogo
Prestem atenção no Botafogo: copeiro, organizado e pronto para a Libertadores
14 Abril 00:48

Flamengo tem o maior lucro da temporada em jogo com o Atlético-PR no Maracanã

Flamengo Maracanã Libertadores 2017 Atlético-PR

Flamengo Maracanã Libertadores 2017 Atlético-PR

A partida contra o Atlético-PR no Maracanã, pela Libertadores, rendeu ao Flamengo bons frutos não só em campo, com a vitória de 2 a 1, como também na bilheteria. O lucro de R$ 903 mil foi o maior obtido pelo clube nos 20 jogos disputados nessa temporada. Superior até mesmo ao R$ 638 mil embolsados na estreia da Libertadores, contra o San Lorenzo, também no Maracanã.

A diferença é que, desta vez, o Flamengo não teve custos tão vultosos na infra-estrutura do estádio como em março. Diante do San Lorenzo, R$ 1,7 milhão foi destinado a pagamentos como conta de luz em atraso, cuidado com o gramado, sistema de som e outros entraves para tornar o Maracanã novamente funcional. Contra o Atlético-PR, alguns ajustes também foram realizados, mas o valor caiu para R$ 146 mil. Menos, portanto, do montante destinado à Ferj, em forma de taxa, que chegou a R$ 328 mil.

Com um público ligeiramente menor do que contra o San Lorenzo, a partida contra o Furacão teve custo operacional um pouco reduzido: de R$ 424 mil, o valor chegou a R$ 391 mil. O aluguel do Maracanã, acertado com a Odebrecht, acabou embutido no preço de investimento em infra-estrutura no primeiro jogo. Desta vez, o valor foi especificado no borderô: R$ 750 mil. As despesas totalizaram R$ 2,2 milhões da renda de R$ 3,3 milhões. O resultado líquido chegou a pouco mais de R$ 1,1 milhão. Como o Flamengo teve uma penhora de R$ 159 mil, o valor final ao bolso do clube atingiu então os R$ 903 mil.

Retorno ainda incerto

Ainda que o valor tenha sido o maior do ano, a diretoria rubro-negra acredita ser possível melhorar termos do acordo para utilização do Maracanã e, assim, aumentar a margem de lucro. Por enquanto, o retorno ao estádio é incerto pela Libertadores, já que a Largadére, empresa francesa com a qual o clube garante não negociar em nenhuma hipótese, está em vias de acertar a compra da concessãoda Odebrecht pelo valor de R$ 30 milhões.

O próximo jogo na competição sul-americana em casa será no dia 3 de maio, contra a Universidad Católica. Como confirmou à Conmebol o Rio de Janeiro como sede, a partida deverá ser disputada na cidade, salvo motivo de força maior. A Arena na Ilha do Governador segue em obras e não tem uma data específica para ser liberada. O local, no entanto, com capacidade para 20 mil torcedores, só poderia ser utilizado até as quartas de final da Libertadores, de acordo com o regulamento.

Os comentários estão encerrados.